26 de ago de 2006

Poesias splatter, nonsense, e afins...

SONETO SPLATTER

Expelindo um rio de sangue emputrecido
O raquítico enfermo se estrebucha
Sofre muito o moribundo, enfraquecido
Sangue jorra com a força de uma ducha

E as poças de seu sangue - tão imundo
Prenunciam seu destino - tão fatal
Criatura vai dizendo adeus ao mundo
Vomitando o rubro líquido vital

A família então constata a prognose
Morrerá devido a leptospirose
Em uma explosão splatter sem igual

Observo a triste cena, inexpressivo
Me fascina o tom vermelho, tão lascivo
E a dureza toma conta de meu pau


SPLATTER-GORE NA PISTA

Crianças brincam na rua
Mães conversam ao portão
Motorista embriagado
Vem guiando seu furgão
Só se ouve uma freada
Freada que foi em vão

Crianças atropeladas
Voam, são arremessadas
Então caem na calçada
Totalmente inanimadas
Contorcidas, desmembradas
Com as cabeças rachadas

Motorista sai do carro
Se dizendo inocente
Esse foi seu pior erro
Morrerá, sadicamente

Mães tomadas pelo ódio
Pegam paus, pedras ao chão
E então fazem justiça
Com as suas próprias mãos

Pauladas deformam face
Ferimentos doloridos
Ele implora: "-Não me mate!"
Sangue escorre dos ouvidos

Uma mãe se aproxima
Com um pedaço de cano
E espanca a cabeça
Estraçalhando seu crânio
O homem tem uns espasmos
E morre agonizando

Mais tarde chega a polícia
Que de longe já avista
As carcaças das crianças
O sangue, os miolos, tripas
O furgão incendiado
E o corpo do motorista

Hediondo linchamento
Splatter-gore na pista!


SEM TÍTULO

Eu só quero usar óculos escuros o dia inteiro
E tomar cerveja com canudinho e pedras de gelo
Ficar de porre e arrotar frases sem nexo
Assistir Faces da Morte enquanto faço sexo

Eviscerar uma indigente hermafrodita
E pular cordas com as tripas
Arrancar as unhas de uma biscate com um maldito alicate
E tomar vitamina de abacate enquanto um traveco me paga um boquete

E nem me interessa saber por que há pessoas sãs e pessoas loucas
Ou por que há pessoas com o cu mais limpo que outras
Ou por que o Chaves sempre bate no Seu Barriga
Ou por que diabos você não quer ser minha amiga

Isso a mim pouco importa...


ÇHEIROZO "!@#$%¨&*()_+

Amor que outrora fora d'outro
Pitoresco torresmo frito
Aleluia pitoresco
CachaSSa sabor calhambeque

Aparelho reprodutor feminino
MP3 e DVD
Dividir, somar, subtrair, comer queijo
PaSSoca sabor Nigel Mansell

ComeSSo.


PIROCA DURA

A piroca dura
Cinquenta anos, mais ou menos
Depois disso, perde a validade
E amolece de vez...


AÍ FODEU

Eu só queria meter
Ela queria me ter
Aí fodeu


PROSTITUIÇÃO INFANTIL

Minha prostituição é mais infantil que a sua...
Lero, lero... Lero, lero...


MORRI AMANDO

Morri amando
Morri amando
Morri a mando
De seu marido.


O PI
[por Legume e Marcia Maggi]

O pi é um número "infinito"
Mas é escrito com um único símbolo
E falado com uma única sílaba
E o Chaves quando chora faz pipipipipi...

Um apito é piiiiiiiiii
Um palavrão censurado é piiiiiiiiii
Alguém morrendo na U.T.I. é piiiiiiiiii
E o nenê faz pipi.

Pipi também é genitália
E o Quico quando empurra o Seu Madruga fala:
Gentalha, Gentalha!


Poema Imaginário